Crise de segurança alimentar preocupa líderes

As Nações Unidas marcam neste 16 de outubro o Dia Mundial da Alimentação. Em 2022, o tema é “não deixe ninguém para trás”. Para líderes internacionais e chefes de agências da ONU, o momento é de alerta com uma crise de segurança alimentar sem precedentes e um recorde de pessoas em grave risco de fome na Ásia e na África.

Esperança e ação

O Dia da Alimentação é celebrado em mais de 150 países em locais icônicos como a estátua do Cristo Redentor, no Rio de Janeiro, as Cataratas de Niágara, na América do Norte, e a praça Piccadilly Circus, de Londres, também acolhem atividades.

Em Roma, a Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura, FAO, realizou um evento, nesta sexta-feira (14), com mensagens do secretário-geral da ONU, António Guterres, do papa Francisco e do presidente italiano Sergio Mattarella.

Guterres ressaltou que o mundo vive um período desafiador para a crise de segurança alimentar. Na mensagem para este ano, o líder das Nações Unidas exorta as partes interessadas a cooperarem para passar do desespero à esperança e à ação.

O diretor-geral da FAO, Qu Dongyu, disse que diante de uma iminente crise alimentar global, é preciso aproveitar a solidariedade e o impulso coletivo para construir um futuro melhor. Nessa realidade, todos devem ter acesso regular a alimentos nutritivos suficientes.

Soluções justas e duradouras

Em sua mensagem, o papa Francisco listou os desafios desse momento de guerra. O chefe da Igreja Católica lembrou que a FAO celebra 77 anos e que foi criada para responder as necessidades das vítimas da miséria e da fome no contexto da Segunda Guerra Mundial.

Papa Francisco faz alerta sobre insegurança alimentar / Foto: Alessandra Benedetti FAO

O apelo é que não se perca de vista que as pessoas “não são apenas números, dado um fluxo interminável de estatísticas”. O papa Francisco pediu ainda que os projetos e intervenções da agência não se limitem a carências circunstanciais ou apelos feitos em contextos de emergência, mas para oferecer soluções justas e duradouras.

Ele destacou que é necessário ressaltar a urgência de enfrentar o problema da pobreza, que está intimamente ligado à falta de nutrição adequada, em conjunto e em todos os níveis.

Para o presidente italiano, Sergio Mattarella, “sem igualdade de acesso à alimentação, milhares de pessoas principalmente aquelas que vivem nos países mais pobres, não podem ter uma vida saudável, educação de qualidade e oportunidades de crescimento social e econômico”.

Crise alimentar global sem precedentes

A ONU estima que além das 970 mil pessoas em risco de fome no Afeganistão, na Etiópia, na Somália, no Sudão do Sul e no Iêmen, o número de pessoas que passam fome em todo o mundo está aumentando.

Somente em 2021, 828 milhões viviam nessa situação, segundo o relatório Estado de Segurança Alimentar e Nutrição no Mundo. Cerca de 3,1 bilhões de pessoas ainda não podem ter uma alimentação saudável. Na cerimônia, o diretor executivo do Programa Mundial de Alimentos, PMA, afirmou que a maior preocupação é o que está por vir.

Crises contínuas

David Beasley listou a crise de disponibilidade de alimentos, relembrando que os efeitos de conflitos e das mudanças climáticas ameaçam prejudicar a produção global de alimentos nos próximos meses.

O chefe do PMA destacou que o mundo deve abrir os olhos para a atual crise alimentar global sem precedentes e agir de imediato para impedir que a situação saia do controle.

O presidente do Fundo Internacional para o Desenvolvimento Agrícola, Álvaro Lario, informou que, este ano, mais do que nunca, o Dia Mundial da Alimentação deve ser um apelo para intensificar as ações de ajuda aos pequenos agricultores do meio rural.

Ele ressaltou que estes produtores fornecem alimentos para suas comunidades e países em crises sucessivas, apesar da desigualdade, da vulnerabilidade e da pobreza.

Fonte: ONU News

Foto destaque: FAO/Fredrik Lerneryd

Please follow and like us:

Redacao EJ

Leia mais →

One thought on “Crise de segurança alimentar preocupa líderes

  1. Mata Atlântica produz 50% dos alimentos consumidos no país, diz estudo - Escritório de Jornalismo 10 de novembro de 2022 at 13:19

    […] Crise de segurança alimentar preocupa líderes  […]

    Responder

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

15 − 12 =

Twitter
Visit Us
Follow Me
LinkedIn
Share
Instagram