Prêmio Nobel da Paz premia ativista bielorusso e duas ONGs

Em tempos de guerra na Ucrânia e Rússia, conflitos ainda perduram na Síria, no Oriente Médio, a guerra invisível da fome e da pobreza, da crise sanitária e mudanças climáticas tempos sombrios pedem paz em todos os sentidos.

Nesta sexta (7), em Oslo na Noruega, o Comitê Nobel de Paz concedeu o Prêmio ao ativista dos direitos da Bielorrússia, Ales Bialiatski e às organizações não-governamentais Memorial, da Rússia e ao Centro Ucraniano para as Liberdades Civis. Todos os vencedores são ativistas em seus países na luta pelos direitos humanos e pela paz.

Para este ano, o número de candidatos foi de 343 (251 dos quais são pessoas e 92 organizações). Um número superior aos 329 candidatos do ano passado e o segundo mais elevado de sempre, pertencendo o recorde aos 376 candidatos nomeados em 2016.

* Com agências

 

Please follow and like us:

Luciana Leão

Leia mais →

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

15 − dez =

Twitter
Visit Us
Follow Me
LinkedIn
Share
Instagram