Fernando de Noronha terá 1º laboratório de economia circular

Primeira fase das obras teve início em abril deste ano, uma iniciativa múltipla encabeçada pela Ball Corporation em parceria com a administração da ilha de Fernando de Noronha e o consórcio Noronha Pelo Planeta, formado pelas instituições CBC, InterCidadania – IC, Circularis e SinsPire.

 

O arquipélago de Fernando de Noronha (PE), um dos principais destinos turísticos do País recebendo cerca de 120 mil por ano, terá a partir do primeiro semestre de 2023, o 1º Laboratório de Economia Circular do Brasil, intitulado Lab Valelata Pelo Planeta, uma iniciativa da multinacional americana Ball Corporation, maior produtora de latas de alumínio do mundo, em parceria com a administração da ilha de Fernando de Noronha e o consórcio Noronha Pelo Planeta, formado pelas instituições CBC, InterCidadania – IC, Circularis e SinsPire.

Com inauguração prevista para o primeiro trimestre do ano que vem, o  Lab Vadelata Pelo Planeta centralizará a coleta das latas de alumínio da ilha e pretende, com isso, ajudar a economizar parte do R$ 1 milhão que o poder público gasta, por mês, só para levar o lixo da ilha para o continente.

Em entrevista exclusiva à Revista Nordeste, a diretora de Comunicação e Relacionamento com a Comunidade para a Ball América do Sul, Thaís Moraes, disse que a escolha do Arquipélago para a localização do laboratório se deve muito à movimentação de Fernando de Noronha em se tornar um ambiente sustentável.

 

“A Ilha conta, por exemplo, com um decreto de Plástico Zero e a primeira lei do Brasil com meta de carbono neutro até 2030. A lata de alumínio é a embalagem mais reciclada do mundo e, porque acreditamos em um mundo com mais consciência, queremos colaborar com o esforço de Fernando de Noronha para construir um espaço de convivência sustentável. Ao formar uma grande rede de consumo consciente, fomentamos uma economia circular, e podemos avançar como um planeta cada vez mais saudável”, defendeu a executiva da Ball Corporation América do Sul.

Estrutura do Laboratório 

 

O Lab Valelata Pelo Planeta está sendo implantado em uma área de 18 mil m2, com a maior parte reservada para preservação da biodiversidade nativa, localizada no entorno do aeroporto da Ilha e próximo à Praia do Bode e ao mirante Dois Irmãos. 

O prédio conta com projeto de arquitetura baseado nos conceitos mais atualizados do ponto de vista da sustentabilidade ambiental e terá cerca de 400 m², podendo chegar a 800, a partir de outras expansões. O laboratório deve servir como referência para novos modelos de economia circular no País.

Logística de coleta

Todo o processo será feito através de um modelo de coleta inovador no Brasil: pontos de entrega voluntária disponíveis para consumidores e grandes geradores, como bares, hotéis e restaurantes, agendamento de coleta por meio de aplicativo móvel, transporte de latas em ecobags retornáveis e veículos elétricos. 

Ao serem levadas para o Lab Valelata pelo Planeta, as latas serão limpas e prensadas, para então serem transportadas para uma planta da Ball no Recife, localizada no Complexo Industrial de Suape e, em seguida, para um centro de reciclagem da Novelis em São Paulo, onde serão transformadas em novas bobinas para latas, garantindo o reaproveitamento total dos resíduos de alumínio que, em apenas 60 dias, serão uma nova lata nas prateleiras dos mercados.

A expectativa do projeto é reciclar cerca de 50 toneladas de alumínio no primeiro ano pós-pandemia. “Todo o valor da venda da sucata de latas será revertido para financiar a própria coleta, desonerando a Administração de Noronha, e ainda a realização de projetos sociais e educacionais para a comunidade de Noronha”, afirmou Thaís Moraes. 

Espaço multiuso 

 

Na prática, além de ser um local para pré-processamento das latas para reciclagem, o laboratório será um espaço multiuso, onde serão realizadas diferentes atividades socioeducativas – como palestras, cursos, exposições, salas de debate etc. – com foco em questões ambientais prioritárias para o planeta, como a poluição dos oceanos, por exemplo.  “O laboratório servirá ainda como base para demonstração de novas tecnologias que suportam a transição para uma economia sustentável e de baixo carbono”, acrescentou. 

O projeto também prevê capacitação e informação para os ilhéus; parceria com pousadas e restaurantes para garantir destino correto às latas de alumínio; instalações interativas, sinalizações, lixeiras e totens educativos para trilhas, praias e sítio histórico.

Entre outros impactos positivos, a Ball estima que, ao longo do projeto, cerca de 500 empreendedores locais poderão divulgar seus serviços e produtos no aplicativo que está sendo desenvolvido, promovendo a economia da ilha; e, além disso, centenas de estudantes e jovens serão beneficiados com as ações educativas e de capacitação a serem realizadas no laboratório.

A indústria da lata

O alumínio é um case de circularidade real na economia. O Brasil recicla 99% das latas de alumínio. Uma lata de alumínio qualquer no país já é feita de 80% de alumínio reciclado. O restante do alumínio reciclado vira produto de maior valor agregado. Em outros países da América do Sul como Argentina, Chile, os índices de reciclagem são bem menores, de 79% e 33%, respectivamente. 

No Brasil, 99% do alumínio é reciclado. O País só se compara com a Alemanha no percentual de reciclagem de latas, entretanto o mercado do país europeu é de 4 bilhões de latas e, no Brasil, representa 33 bilhões.

Segundo a Associação Brasileira dos Fabricantes de Latas de Alumínio (Abralatas) o segmento das latinhas de alumínio para bebidas no Brasil cresceu 5,2%, em 2021, na comparação com o ano anterior, registrando um faturamento de R$ 18,3 bilhões, com 33,4 bilhões de unidades consumidas no período. Ainda, de acordo com a Abralatas,  o Brasil é o 3º maior mercado mundial de latas de alumínio para bebidas, atrás somente da China e dos Estados Unidos. 

*Matéria publicada originalmente na Revista Nordeste Edição 187 e pode ser lida na íntegra no link http://www.mflip.com.br/pub/NORDESTE/?numero=187&ipg=425033

Please follow and like us:

Luciana Leão

Leia mais →

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

8 − 4 =

Twitter
Visit Us
Follow Me
LinkedIn
Share
Instagram