Terminal de minério em Suape sinaliza avanço para Ferrovia do Sertão

A implantação do Terminal de Granéis Sólidos Minerais de Suape (TGSMS), com a assinatura do contrato de arrendamento pelo grupo Bemisa Brasil Operação Mineral S.A, e o Governo de Pernambuco, na manhã desta segunda-feira (26) pode sinalizar no futuro a conclusão de um trecho de 717 quilômetros da Ferrovia Transnordestina ao Complexo Industrial de Suape.

Isso porque, a mineradora foi autorizada pelo governo federal a implantar e explorar a Ferrovia do Sertão (EF233), nos 717 quilômetros entre Curral Novo (PI) e o porto pernambucano. O que indica um passo adiante no traçado paralisado por questões jurídicas e financeiras.

Na modalidade de Terminal de Uso Privado (TUP), o empreendimento será operado pela empresa Planalto Piauí Participações e Empreendimentos S.A., integrante do grupo Bemisa Brasil Operação Mineral S.A. Para a construção do terminal será investido R$ 1,5 bilhão, com a estimativa de movimentar anualmente 13,5 milhões de toneladas de minério de ferro.

A obra, que tem previsão de início para o ano de 2025, vai gerar mais de 3 mil empregos, entre diretos e indiretos. Durante a operação, serão 400 empregos. O terminal está localizado dentro dos limites da Zona Industrial Portuária (ZIP), numa área de 51,8 hectares na Ilha de Cocaia.

“Será mais uma opção logística fundamental, que vai baratear custos e dar uma condição de desenvolvimento para vários setores da economia de Pernambuco. Esse novo terminal também vai potencializar ainda mais a utilização de Suape, ou seja, outros estados e até países terão no porto um novo escoamento de produção, agora através da logística ferroviária”, destacou o governador Paulo Câmara.

A ferrovia vai viabilizar a exportação de minério de ferro que o grupo empresarial explora no município de Curral Novo, onde há uma jazida com 800 milhões de toneladas de ferro, maior reserva mineral daquele Estado e uma das maiores do País.

O diretor-presidente do Porto de Suape, Roberto Gusmão, enfatizou que a instalação do terminal de minérios em Suape é um marco importante para a economia do Estado.

Roberto Gusmão, presidente do Complexo Industrial de Suape, lembra a vocação do Porto como Hub de logística do Nordeste

“Somos o principal porto do Nordeste e concentrador de cargas, atualmente distribuídas pelo modal rodoviário e por cabotagem. Com a malha ferroviária, o porto poderá movimentar desde os grãos de soja de Matopiba, na região entre os Estados do Tocantins, Bahia, Piauí e Maranhão, até as frutas do São Francisco e a gipsita do Sertão do Araripe, além de interiorizar cargas como combustíveis, gás de cozinha, cargas conteinerizadas, veículos, entre outras mercadorias, consolidando sua integração à rede logística da região”, ressaltou.

O terminal terá capacidade de recebimento e embarque de 50 mil toneladas de minério por dia e volume máximo de 780 mil toneladas para estocagem no pátio.

A operação tem previsão de arrecadar R$ 617,2 milhões em tarifas portuárias e um total de R$ 184,5 milhões pelo arrendamento da área durante a vigência do contrato, que é de 30 anos.

Gustavo Lopes, CEO do grupo Bemisa, durante coletiva. Foto: Aluisio Moreira/SEI

“Pernambuco foi um Estado que sempre nos recebeu muito bem, e o governador Paulo Câmara foi essencial para isso. A gente já vem discutindo há alguns anos sobre essa possibilidade, que hoje culminou na assinatura do contrato de arrendamento”, ressaltou o CEO da Bemisa, Augusto Lopes.

*Com informações da SEI

 

Please follow and like us:

Redacao EJ

Leia mais →

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

7 − três =

Twitter
Visit Us
Follow Me
LinkedIn
Share
Instagram