“Não há tempo a perder”, diz líder da ONU

“O mundo está “assistindo com horror um ciclo sobrecarregado de violência”. Essas foram as palavras que o secretário-geral da ONU, António Guterres, usou para descrever “os acontecimentos dramáticos em Israel e em Gaza.”

Em conversa com jornalistas nesta quarta-feira, em Nova Iorque, o chefe das Nações Unidas disse estar em contato com líderes da região e pediu que eles usem sua influência para impedir uma escalada das tensões.

Segundo Guterres, a grande prioridade é “evitar o alastramento do conflito.”

Suprimentos para salvar vidas

Na conversa com jornalistas, Guterres disse que suprimentos cruciais para salvar vidas, incluindo combustível, alimentos e água, “devem ser autorizados a entrar em Gaza.”

O secretário-geral agradeceu ao Egito “pelo seu empenho construtivo em facilitar o acesso humanitário através da passagem de Rafah e em disponibilizar o aeroporto de El Arish para assistência crítica.”

Para Guterres, “não há tempo a perder. Cada momento conta.”

Nesse sentido, ele afirmou estar “preocupado com a recente troca de tiros ao longo da Linha Azul e com os recentes ataques relatados no Sul do Líbano.”

O líder da ONU fez um apelo “à libertação imediata de todos os reféns israelenses detidos em Gaza.”

O secretário-geral também disse que é necessário “acesso humanitário rápido e desimpedido” aos locais afetados por bombardeios em Gaza. 

Guterres ressaltou que “os civis devem ser protegidos em todos os momentos” e que “o direito humanitário internacional deve ser respeitado e defendido.”

11 funcionários da ONU mortos

Cerca de 220 mil palestinos estão abrigados em 92 unidades da Agência da ONU para Refugiados Palestinos, Unrwa, em Gaza.

O chefe das Nações Unidas sublinhou que “as instalações da ONU e todos os hospitais, escolas e clínicas nunca devem ser visados.”

Ele disse que o pessoal das Nações Unidas está trabalhando incansavelmente para apoiar o povo de Gaza e lamentou profundamente que alguns deles “tenham pagado o preço final.”

Desde 7 de outubro, 11 funcionários da Unrwa foram mortos na Faixa de Gaza.

Segundo a vice-diretora da agência em Gaza, Jenifer Austin, as vítimas são cinco professores, um ginecologista, um engenheiro, um conselheiro psicológico e três funcionários de apoio. “Alguns foram mortos em suas casas com suas famílias”,  disse Austin.

Please follow and like us:

Redacao EJ

Leia mais →

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

15 + 18 =

Twitter
Visit Us
Follow Me
LinkedIn
Share
Instagram