Estados do NE tem apoio para regularização ambiental em áreas rurais

Projeto para mapeamentos hidrográficos, do solo e de relevo vai acelerar a regularização fundiária e fomentar políticas de sustentabilidade ambiental

 

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) vai apoiar a regularização ambiental das propriedades rurais por meio de ações que viabilizem a aceleração do processo de análise do Cadastro Ambiental Rural (CAR). 

Do Nordeste, três estados foram contemplados: Pernambuco, Rio Grande do Norte e Sergipe.O projeto, apoiado no âmbito do BNDES Fundo Socioambiental, será executado pela Fundação Brasileira para o Desenvolvimento Sustentável (FBDS) e envolve a parceria do Serviço Florestal Brasileiro (SFB) para sua implementação.

Através da elaboração de bases de dados georreferenciadas que irão alimentar de informações o módulo de análise dinamizada do Sistema Nacional de Cadastro Ambiental Rural (SICAR), será possível acelerar os programas de regularização fundiária, desenvolver mecanismos de compensação ambiental, contribuir para a implementação da Política de Pagamento por Serviços Ambientais (PSA) e ampliar escala nos mercados de carbono.

O valor total do apoio do Banco será de até R$ 3,5 milhões. Nove estados brasileiros serão beneficiados: Espírito Santo, Pará, Pernambuco, Rio Grande do Norte, Rondônia, Roraima, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Sergipe.

O projeto, que terá a duração de dois anos, engloba um grande número de mapeamentos. As ações envolvem o processamento e a interpretação de imagens de satélite para identificação, classificação e georreferenciamento de informações específicas. Pretende-se elaborar bases georreferenciadas de uso e cobertura do solo, fitofisionomias, relevo, hidrografia, que serão incorporadas ao SICAR pelo Serviço Florestal Brasileiro.

Uso e cobertura do solo

 Dentre as ações, por exemplo, o de uso e cobertura do solo de todo o estado do ES e do RS, e de 15% do território de Pernambuco foram incluídas. Também haverá o mapeamento completo de áreas de uso restrito relacionadas ao relevo para os estados de Pernambuco, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul e Sergipe, assim como para a área cadastrável dos estados de Pará, Rondônia e Roraima. As ações envolvem também a classificação de toda a hidrografia do estado de Espírito Santo e de 15% de Pernambuco.

Cadastro Ambiental Rural

 “O BNDES se propôs a apoiar um projeto que irá atuar sobre um dos principais entraves para o avanço na implementação do código florestal, que é a análise do Cadastro Ambiental Rural. Vamos mapear cerca de 150 milhões de hectares em diferentes estados, em componentes como hidrografia, uso do solo, vegetação e mais, buscando suprir esses vazios de dados que existem hoje para a análise dinamizada do CAR. Com a produção de informações que irão subsidiar o sistema de Serviço Florestal Brasileiro, será possível pôr em prática políticas de regularização ambiental de propriedades rurais e de remuneração pela manutenção de excedentes de vegetação”, explicou o diretor de Crédito Produtivo e Socioambiental do BNDES, Bruno Aranha.

O que significa o Cadastro Ambiental Rural (CAR)

Trata-se do registro eletrônico de informações espaciais georreferenciadas dos imóveis rurais. O Cadastro delimita áreas de proteção permanente, reserva legal, remanescentes de vegetação nativa, área rural consolidada e áreas de interesse social e de utilidade pública e tem como objetivo traçar um mapa digital, que serve como base para o diagnóstico ambiental.

A principal ferramenta utilizada pelo CAR é o Sistema Nacional de Cadastro Ambiental Rural (SICAR), plataforma informatizada que reúne as informações ambientais dos imóveis rurais de todo o país. O sistema propicia o desenvolvimento de políticas de controle, monitoramento, planejamento ambiental e econômico e combate ao desmatamento ilegal. Ele também é fundamental para o avanço da regularização ambiental de propriedades rurais prevista no Código Florestal.

Fomentadores

A Fundação Brasileira para o Desenvolvimento Sustentável tem como foco a formulação de conhecimento científico nas áreas de ativos ambientais, agricultura sustentável e sustentabilidade urbana para fins de implementação de políticas públicas. 

Para isso, a fundação realiza estudos, pesquisas, intercâmbios de conhecimentos com vistas à construção de banco de dados sobre a proteção do meio ambiente e desenvolvimento social. 

Entre as ações já realizadas pela FBDS se destacam os projetos: Regularização Ambiental na Amazônia, Projeto Rural Sustentável na Caatinga, além do Projeto para redução do desmatamento na cadeia produtiva da soja.

Já o BNDES Fundo Socioambiental tem por objetivo apoiar investimentos de caráter social, nas áreas de geração de emprego e renda, saúde, educação, meio ambiente e/ou vinculadas ao desenvolvimento regional e social. 

“Os recursos do programa têm como foco a inclusão social, com a priorização de projetos que melhorem as condições de vida das populações de baixa renda”, conclui Bruno Aranha,  diretor de Crédito Produtivo e Socioambiental do BNDES.

*Com informações do BNDES Fundo Socioambiental 

Foto destaque: Ilustrativa

 

Please follow and like us:

Luciana Leão

Leia mais →

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

nove + catorze =

Twitter
Visit Us
Follow Me
LinkedIn
Share
Instagram