A Comunicação como aliada à Gestão de Crises em Sustentabilidade

A Comunicação como aliada na Gestão de Crises de Sustentabilidade Empresarial

A gestão de crises é uma parte essencial de qualquer estratégia empresarial, especialmente no contexto da sustentabilidade e nas boas práticas em ESG, ou seja, a governança ambiental, social e corporativa, do inglês Environmental, social, and corporate governance.

Já falamos aqui, na coluna Comunicação e Sustentabilidade, algumas vezes que crises relacionadas à sustentabilidade podem surgir de diversas formas, como acusações de impactos ambientais negativos, violações dos direitos humanos na cadeia de suprimentos ou ações que não estão em conformidade com as melhores práticas ambientais e sociais.

Nesses momentos críticos, uma comunicação transparente e responsável desempenha um papel fundamental na proteção da reputação da empresa e na construção da confiança dos stakeholders, que são todas as partes interessadas na cadeia produtiva da empresa, como os clientes, funcionários, fornecedores, comunidade local e investidores.

Então, eis a boa pergunta: Como a comunicação pode ser uma aliada poderosa na gestão de crises de sustentabilidade nas empresas?

Transparência e Responsabilidade

Em um primeiro pilar, diria que uma comunicação transparente e assertiva é essencial na gestão de crises de sustentabilidade.

Quando a empresa enfrenta uma crise relacionada a práticas insustentáveis, a honestidade na comunicação é crucial. Isso inclui admitir os erros e demonstrar o compromisso em corrigi-los.

Por meio da comunicação transparente, a empresa (independente de seu tamanho) pode mostrar que está disposta a aprender com seus erros e implementar mudanças para evitar que tais problemas ocorram novamente.

Um exemplo prático disso, um pouco distante de nosso contexto, mas interessante, foi quando a empresa de moda americana Patagônia enfrentou uma crise de sustentabilidade após acusações de uso de materiais poluentes em suas roupas. E como ela agiu? 

Respondeu de forma transparente, divulgando uma análise de ciclo de vida detalhada de seus produtos e se comprometeu a fazer melhorias em suas práticas para reduzir o impacto ambiental.

Resultado: tornou-se um exemplo para o mundo em economia circular e de boas práticas no uso de suas matérias primas.

Esse exemplo é importante para a economia pernambucana, por que temos aqui em nosso Estado um segmento representativo da indústria têxtil, o polo têxtil no Agreste pernambucano.

A importância dos Stakeholders

A comunicação efetiva também envolve o engajamento dos stakeholders durante uma crise de sustentabilidade.

Envolvê-los no processo de comunicação pode ajudar a empresa a entender as preocupações e expectativas de cada grupo e responder de forma mais assertiva.

Por exemplo, entre os anos de 2019 e 2020, aqui em Pernambuco e parte do litoral do Nordeste, num raio de 700 km, tivemos um grande vazamento de óleo por parte de um navio petroleiro grego.

No entanto, naquele primeiro momento de crise, não houve respostas por parte da empresa, o que gerou um imbróglio jurídico e policial, além de danos irreparáveis ao meio ambiente terrestre e marinho.

A empresa não enfrentou com transparência, se omitiu às respostas provocadas pelas autoridades da Marinha brasileira, da mídia e, até hoje, quem saiu prejudicado foi o meio ambiente.

Em termos de valores calculava-se, à época, em torno de R$ 188 milhões sem falar nas consequências ocasionadas em longo prazo para todo o ecossistema atingido.

Reconhecimento de Melhorias e Resultados

Outro ponto importante para fazer parte das ações na comunicação é destacar as melhorias e resultados alcançados após uma crise de sustentabilidade.

Afinal, o antes e depois sempre é bem -vindo. Concordam? Quando a empresa implementa mudanças positivas e efetivas em suas práticas, é importante comunicar essas ações para os stakeholders.

E, sem esquecer, que essa comunicação deve ser contínua, de modo a reforçar o compromisso da empresa com a sustentabilidade a longo prazo. Não sei se vocês lembram do caso da empresa de alimentos Danone, que enfrentou uma crise de sustentabilidade devido ao uso de embalagens de plástico não recicláveis.

A Danone, à época, respondeu ao problema com uma estratégia de redução do uso de plástico em suas embalagens e, através de uma comunicação ativa, destacou seus progressos e resultados positivos para os consumidores e investidores.

PENSEM NISSO: A comunicação transparente, responsável e efetiva é uma aliada poderosa na gestão de crises de sustentabilidade nas empresas.

Ela ajuda a proteger a reputação da empresa, construir confiança com os stakeholders e demonstra um compromisso real com a sustentabilidade.

Exemplos práticos, como os apresentados, mostram como a comunicação adequada pode fazer a diferença em momentos críticos, permitindo que a empresa aprenda com seus erros e se torne mais resiliente e responsável em suas práticas de sustentabilidade.

Ou seja, por meio da comunicação, as empresas têm a oportunidade de transformar crises em oportunidades de crescimento sustentável e melhorar o mundo em que atuam.

 

Luciana Leão é jornalista, fundadora do Escritório de Jornalismo, desde 2002, e Consultora em Comunicação. Recentemente, em julho de 2023, foi vencedora do prêmio do Sistema OCB-PE (Organização das Cooperativas Brasileiras), na categoria impresso e digital, pela reportagem “Cooperativismo financeiro transforma vidas no semiárido”, publicada na Revista Nordeste, edição 196.

*Conteúdo originalmente publicado na coluna Comunicação e Sustentabilidade publicada no dia 02/08/2023 pelo Jornal do Sertão PE 

 

 

Please follow and like us:

Luciana Leão

Leia mais →

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 × cinco =

Twitter
Visit Us
Follow Me
LinkedIn
Share
Instagram