Praia de Fernando de Noronha tem ninho de tartarugas depois de 39 anos

Depois de quase 40 anos, o Projeto Tamar registra a abertura de um ninho de tartarugas na praia do Porto Santo Antônio, em Fernando de Noronha. Nunca houve registros de desova na praia do Porto de Santo Antônio.

Por isso, o nascimento dos filhotes da espécie tartaruga-verde na área foi celebrado pelos pesquisadores do projeto, que realizaram uma abertura pública do ninho no final de abril para chamar atenção e conscientizar moradores, turistas e os pescadores que transitam pela praia.

Confira reportagem da TV Golfinho

As principais áreas de desova da espécie em Fernando de Noronha são a praia do Leão e a praia do Sancho, que são áreas protegidas pelo Parque Nacional Marinho.

Outras regiões do arquipélago também registram desovas. Cláudio Bellini, coordenador do Projeto Tamar nos estados do Ceará, Rio Grande do Norte e Pernambuco, fala do ineditismo do caso deste ninho de tartaruga verde.

“Hoje, praticamente quase chega até 400 desovas, entre 250 e 400 desovas por ano. Então, a população está em uma crescente bem interessante e para a gente é a nossa satisfação saber que tem uma fêmea que retornou e desovou no Porto. Só que ela teve uma dificuldade que o Porto, a praia do Porto, está totalmente tomada de embarcações antigas, de canoas havaianas. E ela teve a maior dificuldade porque praticamente não sobrou praia para ela. Ela teve que desovar praticamente entre duas embarcações, dessa forma a equipe do Centro Tamar flagrou e essa cena foi marcada”.

Ações positivas

O nascimento destes filhotes também é uma resposta positiva das ações do Projeto Tamar em Fernando de Noronha, como destaca o oceanógrafo.

“Uma informação extremamente positiva, no sentido de que ações de proteção à espécie estão dando resultados. A população tem crescido e ela tem recolonizado praias que não se tinha eventos reprodutivos. Ela está em um processo de recolonização de novas áreas mesmo dentro do arquipélago”.

Parceria

Em parceria com o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), o Projeto Tamar contribui para a recuperação de várias espécies de tartarugas marinhas.

Os trabalhos estão presentes em cerca de mil quilômetros de praias, em áreas de alimentação, desova, crescimento e descanso das tartarugas, no litoral e ilhas brasileiras, em nove estados banhados pelo oceano Atlântico, entre o Ceará e Santa Catarina.

Please follow and like us:

Redacao EJ

Leia mais →

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

20 − 13 =

Twitter
Visit Us
Follow Me
LinkedIn
Share
Instagram