Mudanças climáticas “podem ser tão mortais quanto câncer”, diz PNUD

Às vésperas da COP27, no Egito, que começa neste domingo (6), estudo do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento, Pnud, e pelo Laboratório de Impacto Climático constata que se as emissões de carbono continuarem altas, o impacto das mudanças climáticas na saúde pode ser até duas vezes mais mortal do que o câncer em algumas partes do mundo.

O estudo dá o exemplo de Dhaka, em Bangladesh, onde numa realidade de emissões muito altas até 2100, mortes adicionais devido às mudanças climáticas podem se tornar o dobro da taxa anual de mortalidade atual do país por todos os tipos de câncer, e 10 vezes por fatalidades anuais no trânsito.

Consequências das mudanças climáticas

As informações estão na nova plataforma Human Climate Horizons, que alerta também para o aumento das desigualdades se nada for feito para conter o aquecimento do planeta

Com base nas análises dos Relatórios de Desenvolvimento Humano de 2020, 2021 e 2022, e alimentados por diversas pesquisas, os dados mostram como as mudanças climáticas podem afetar a vida das pessoas, da mortalidade aos meios de subsistência e uso de energia.

Embora temperaturas mais altas e um clima mais quente coloquem os sistemas cardiovascular e respiratório sob estresse em todos os lugares, os resultados variam entre as regiões, de acordo com as comunidades que têm recursos para se adaptar e as que não têm.

Os dados mostram que as mudanças climáticas podem aumentar as taxas de mortalidade em Faisalabad, no Paquistão, em quase 67 mortes por 100 mil habitantes, causando mais mortes do que derrames, a terceira principal causa de morte no país.

Temperaturas subindo

Em Riad, na Arábia Saudita, no entanto, rendas mais altas podem manter o número de mortos em 35 por 100 mil habitantes, ainda assim, uma taxa mais mortal do que a doença de Alzheimer, a sexta principal causa de morte no mundo.

De acordo com a pesquisa, desde o final do século 19, a temperatura média da Terra aumentou quase 1,2°C, alterando toda a superfície do planeta. No entanto, bilhões vivem em regiões que já experimentaram um aquecimento maior do que a média global.

Como exemplo, a plataforma apontou Maracaibo, na Venezuela, lembrando que na década de 1990 tinha uma média de 62 dias anuais com temperaturas superiores a 35°C. No entanto, em meados do século, esse número provavelmente aumentará para 201 dias.

Impactos na energia e no trabalho

Para o Pnud, a disponibilidade de eletricidade e os combustíveis usados ​​para gerá-la para alimentar ar-condicionado e aquecedores desempenham um papel crucial na capacidade de lidar com temperaturas extremas. Ainda assim, os impactos das mudanças climáticas no uso de energia variam localmente, à medida que indivíduos, comunidades e empresas se adaptam às condições usando os recursos disponíveis.

Em Jacarta, por exemplo, prevê-se que o consumo de eletricidade em resposta a temperaturas mais quentes aumente em cerca de um terço do consumo doméstico atual na Indonésia. Isso exigirá planejamento de infraestrutura adicional crítica.

Temperaturas extremas mais frequentes e severas também afetam os meios de subsistência, afetando a capacidade de realizar tarefas e influenciando a intensidade e a duração do trabalho.

Segundo dados da plataforma, o impacto das mudanças climáticas difere entre os setores da economia, com trabalhadores em setores de alto risco e expostos ao clima, como agricultura, construção, mineração e manufatura sendo os mais afetados.

Em Niamey, no Níger, em setores como construção, mineração e manufatura, o calor excessivo foi responsável por 36 horas a menos de trabalho anualmente, afetando 2,5% no PIB futuro do país.

Consequências humanas

Aquecimento global agrava ainda mais a frequência e a intensidade de eventos climáticos. Foto: OMM/ Boris Baran

Como os impactos das mudanças climáticas não são distribuídos uniformemente globalmente, eles gerarão um aumento significativo nas desigualdades nos próximos anos e décadas.

Mas ao destacar que o futuro não é predeterminado, o Pnud espera que a informação possa capacitar as pessoas em todos os lugares, para intensificar a ação climática.

A missão da plataforma é garantir acesso igualitário a dados sobre impactos futuros, informar a tomada de decisões e ajudar todos a entender as consequências humanas das mudanças climáticas em diferentes cenários.

Escolha econômica

Jovens ativistas climáticos participam de manifestações na COP26 em Glasgow. Foto: ONU/Laura Quinones.

Às vésperas das negociações climáticas da COP27, o Pnud também lançou o relatório Como a transição justa pode cumprir o Acordo de Paris”.  O documento analisa tanto as promessas climáticas aprimoradas de curto prazo, conhecidas como Contribuições Nacionalmente Determinadas, quanto as estratégias de longo prazo nas quais os países descrevem seus planos para o líquido zero.

Os países que não reconhecem as oportunidades oferecidas por uma “revolução verde” correm o risco de aumentar a desigualdade social, agitação civil e economias menos competitivas, se as transições propostas para caminhos de emissões líquidas zero não forem bem gerenciadas.

De acordo com o documento, à medida que os países transitam para economias sustentáveis, é fundamental que o processo seja feito de forma justa e equitativa. A noção de uma “transição justa” é fundamental para alcançar os objetivos climáticos globais do Acordo de Paris.

O relatório conclui que a “transição justa” agora é referenciada em 38% das últimas promessas climáticas nacionais sob o Acordo de Paris e em 56% das estratégias de longo prazo, mas ainda há mais trabalho.

*Com informações da ONUnews
  Foto destaque: Pnud/Fahad Kaizer
Please follow and like us:

Luciana Leão

Leia mais →

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

quatro × um =

Twitter
Visit Us
Follow Me
LinkedIn
Share
Instagram