Alerta para mudanças climáticas em setembro e outubro

As regiões Norte e Nordeste do País devem ficar em estado de alerta para a possibilidade de ocorrência de desastres naturais por conta de chuvas acima da média histórica, alerta a Defesa Civil Nacional para os meses de setembro e outubro.

A probabilidade é de chuvas acima da média histórica em partes das regiões Norte e Nordeste e abaixo da média em parte do Acre, Roraima, Mato Grosso, Goiás, norte do Mato Grosso do Sul, triângulo mineiro, sul de Minas Gerais, São Paulo e Rio de Janeiro, oeste de Santa Catarina e centro-sul do Rio Grande do Sul. Os dados são do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet).

Nas demais áreas do país, a previsão ficará dentro da média esperada, com chuvas escassas na faixa central do Brasil e chuvas mais abundantes nos extremos norte, leste e sul. Assim, podem ocorrer eventos isolados de chuvas expressivas na Região Sul e no sul do Mato Grosso do Sul. Os próximos dois meses serão marcados ainda pela atuação de frentes frias, o que poderá provocar quedas de temperaturas em boa parte do Brasil.

Temperatura

Outro ponto de atenção é a temperatura, que deverá ficar acima da média no oeste do Rio Grande do Sul e Mato Grosso do Sul, no triângulo mineiro, no centro-sul de Goiás, no sul e oeste do Mato Grosso, em pontos de Roraima, Tocantins, Maranhão, Piauí, Ceará e Rio Grande do Norte e no centro-leste da Paraíba.

A coordenadora de Capacitação da Secretaria Nacional de Proteção e Defesa Civil do Ministério do Desenvolvimento Regional, Lidiane Natalie de Souza, reforça a importância de as defesas civis estaduais e municipais se prepararem previamente para lidar com situações de desastres.

“Com a previsão climática dos próximos meses, os municípios já têm uma noção do que vai ocorrer e podem se preparar para um possível desastre. Uma das melhores formas para isso é a capacitação. No site do MDR, há uma vasta lista de cursos gratuitos disponíveis, que tratam de temas como gestão de riscos, obtenção de recursos federais e elaboração de um plano de contingência, por exemplo”, aponta.

La Niña

A alteração no volume de chuvas e a queda de temperaturas nas regiões Sudeste e Sul são provocadas, principalmente, pelo La Niña. Segundo o Inmet, o fenômeno deverá continuar até o fim do inverno e na primavera.

“Essa previsão ocorre devido à persistência do La Niña, que mantém as águas do Oceano Pacífico mais frias do que a média normal histórica, acarretando efeitos globais na temperatura e na precipitação”, explica a técnica em Meteorologia do Centro Nacional de Gerenciamento de Riscos e Desastres (Cenad), Rosane Vieira.

Alertas

A Defesa Civil Nacional orienta os moradores das regiões de risco a se inscreverem nos serviços de alerta, enviando um SMS, com o CEP do local onde mora, para o número 40199. Em caso de desastre, a população receberá um aviso. Outra recomendação é ficar atento aos alertas publicados no Twitter da Defesa Civil Nacional (@defesacivilbr) e do Instituto Nacional de Meteorologia (@inmet_).

*Fonte: Brasil 61 

Please follow and like us:

Redacao EJ

Leia mais →

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

13 + 6 =

Twitter
Visit Us
Follow Me
LinkedIn
Share
Instagram